Número total de visualizações de página

quarta-feira, 30 de novembro de 2011


"Nana de Salónica" -  Música Sefardita







"Durme durme" - Canção Sefardita







Judiaria de Toledo





Assim disse ele...




"...Hos judeos vii caa tornados
todos nuo tempo christãos,
hos mouros entã lançados
fora do reyno passados
Vimos synogas, mezquitas,
em que sempre erã dictas
e preegadas heresias,
tornadas em nossos dias
igrejas sanctas benditas..."








Garcia de Resende foi um homem que acompanhou bem de perto o evoluir da situação dos judeus portugueses, e nas suas crónicas rimadas, nota-se o reflectir da ideia dominante daquela época.

 O cronista Garcia de Resende, nasceu na bonita cidade de Évora no ano de 1470, e morreu nesta mesma cidade em 1536. Viveu durante os reinados de D. João II, D. Manuel I e D. João III, ambiente que lhe terá dado a oportunidade de desenvolver a sua actividade, e onde prestou serviços de relevante importância.
Já em 1491, Garcia de Resende era o secretário pessoal de D. João II. Foi também homem de confiança de D. Manuel, monarca que o conservou como secretário, tendo-o acompanhado em 1498 numa visita às cortes de Toledo.
Mais tarde, no ano de 1514, foi também secretário e tesoureiro da embaixada portuguesa, enviada pelo rei D. Manuel I ao papa em Roma.






terça-feira, 29 de novembro de 2011



Uma instituição de caridade nunca tinha recebido doação do advogado mais rico da cidade, um judeu. O director da instituição decidiu ele mesmo ir falar com o advogado.

- Fizemos uma pesquisa e descobrimos que o senhor ganha mais de 350.000 euros por ano e mesmo assim nunca fez uma pequena doação para a nossa caridade. O senhor gostaria de contribuir agora?

O advogado respondeu:

- A sua pesquisa apurou que a minha mãe está muito doente e que as contas médicas são muito superiores à renda anual da reforma dela?

- Ah, não, murmurou o director.

- Ou que o meu irmão mais novo é cego e desempregado? Continuou o advogado.

O director nem se atreveu a abrir a boca.

- Ou que o marido da minha irmã morreu num acidente e a deixou sem um tostão e com cinco filhos menores para criar, sendo que um deles tem Síndrome de Down? Disse o advogado, já com ar de indignação.

O director já se sentindo humilhado explicou:

- Eu não tinha a menor ideia disso tudo...

- E a sua pesquisa apurou que o meu pai é diabético, tendo perdido três dedos há meses, cardíaco e que está na cadeira de rodas há mais de dez anos?

- Não senhor...

- E foi, por acaso, verificado que eu tenho dois sobrinhos surdos-mudos?

Silêncio do director.

- Além de tudo isto, vocês já sabem que o meu irmão mais velho pediu falência e perdeu todos os seus bens?

- Não, absolutamente não, senhor! Respondeu o director totalmente envergonhado com o papelão que fazia.

- Pois então, - disse o advogado,- SE EU NÃO DOU UM TOSTÃO A ELES, POR QUE IRIA DAR A VOCÊS?

Gravura de um Auto-de-fé realizado em Lisboa
(Terreiro do Paço)





O Auto-de-fé tratou-se de um evento público, onde o principal objectivo era a humilhação, a condenação, e seu ponto alto a execução dos hereges considerados "inimigos" da Igreja, e que em Portugal a Inquisição tão bem gostou de perseguir.
Esta punição visou no nosso país principalmente os cristãos-novos.
Após a sua detenção, os presos nas malhas do Tribunal do Santo Ofício eram sujeitos a terríveis interrogatórios para obtenção de confissões, e a efectuarem denúncias de amigos e mesmo parentes.
As condições nos calabouços eram perfeitamente desumanas, com o intuito de quebrar qualquer espírito de resistência, que porventura o prisioneiro pudesse ainda acalentar.
Vestia-lhes os sambenitos, sendo os condenados entregues à justiça secular. Era aliás esta justiça secular que procedia à confirmação das detenções quando era caso disso, e às famigeradas execuções após condenação do tribunal religioso. 
Caso os condenados fossem teimosos ao ponto de permanecerem com a sua heresia, eram queimados vivos, caso se arrependessem e quisessem morrer como católicos, eram então "reconciliados" (termo para garrotados) em nome da fé, antes de serem consumidos pelas chamas.



Procissão de prisioneiros com os sambenitos - Espanha.

Destaque literário


"As Azeitonas Pretas", de Joann Sfar
Estórias em banda desenhada sobre a província romana da Judeia.






Edições Kraken

Judeia, há 2000 anos atrás. pequeno Gamaliel vai com seu pai à viagem de peregrinação a Jerusalém, para celebrar o Pessach e honrar a mãe morta, com o sacrifício de um cordeiro. Uma vez lá, as coisas ficam um pouco complicadas...
 
Joann Sfar demonstra mais uma vez seu domínio da narrativa gráfica, explorando um dos temas mais recorrentes em sua obra, a história de suas raízes judaicas.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Shabat Shalom




Sabat


Figuras e factos


Salomão Molcho






Assinatura de Salomão Molcho.




Salomão Molcho ou Molkho (1500 – 1532), nasceu em Lisboa e começou por se chamar Diogo Pires, era cristão-novo e exerceu a profissão de escrivão da Casa da Suplicação durante o reinado de D. João III, (O Piedoso).
Diogo Pires regressa à fé dos seus antepassados após conhecer um judeu de nome David Reubeni *, um indivíduo algo misterioso que se intitulava príncipe dos judeus da Árabia. Este encontro ocorrido entre os dois parece ter sido frio e distante por parte de Reubeni em relação ao nosso Diogo Pires, mas o facto é que Reubeni impressionou este jovem português, que decide fazer a circuncisão nele próprio, deixando-o às portas da morte. Passado este percalço, o retorno ao judaísmo e a mudança do seu nome era um facto consumado e definitivo, passará daí a diante a chamar-se Salomão Molcho.





David Reubeni, ilustração de Arthur Szyk.



Molcho tem 24 anos e quer viver novas experiências e compensar os anos perdidos, decide então sair de Portugal e dedica-se ao estudo da Torá e demais textos rabínicos, tornar-se-á num homem místico e seguidor da Cabala.
Fez a sua peregrinação pessoal pelos locais da Europa, onde viviam comunidades sefarditas de origem portuguesa e espanhola, em 1529 chegou a publicar sermões em hebraico,  anunciando a vinda do Messias no ano de 1540.
Vai à Turquia e à Palestina, onde visita a cidade santa de Safed  (Galileia), causando aí uma excelente impressão entre os locais.
Regressa a Itália, e misteriosamente “acerta” na previsão da cheia do rio Tibre em Roma, a 8 de Outubro de 1530. Sua fama é enorme, judeus e conversos vêem nele um salvador das suas atribuladas vidas, mas a má sorte surge como uma sombra negra, Salomão Molcho é detido pelas autoridades religiosas italianas, é julgado por conversão ao judaísmo e condenado à morte. Dão-lhe a oportunidade de poupar a sua vida se Molcho regressar ao catolicismo. Com uma coragem e uma convicção admirável diz não, e morre como judeu na fogueira em 1532 na cidade de Mântua, norte de Itália.
Ficou dessa época a tradição em Safed, que todos as sextas-feiras o espírito de Molcho aparecia alegre e bem disposto, partilhando com todos os presentes a vinda do Shabat.



* David Reubeni chegou a ser recebido pelo papa Clemente VII em 1524, e pelo rei português D. João III em Almeirim no ano seguinte.
A proposta de Reubeni juntamente com Molcho, era esta:
Os soberanos peninsulares com o apoio do Vaticano, forneceriam armas e logística aos milhares de cristãos-novos de Portugal e Espanha, comprometendo-se estes em libertar a Terra Santa do domínio muçulmano, em troca, este exército de “conversos” exigia o livre retorno ao judaísmo e ficar na terra prometida, livres de perseguições.
D.João III fica inicialmente fascinado com a proposta, desta forma via-se livre dos muitos milhares de cristãos-novos do reino, mas pensou melhor, e desconfiado de ver no futuro um exército hostil e com contas a ajustar, tirou o tapete, e este projecto tremendamente audaz acabou por não se concretizar.
Reubeni acaba por ser preso em 1538, e será executado em Espanha em Setembro desse mesmo ano.




quinta-feira, 24 de novembro de 2011

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Eis dois exemplos de um património único e valioso, mas que se encontram fora de Sefarad





Bíblia judaica (Tanach), elaborada na região de Aragão - Espanha, no ano de 1299.
É considerado como o mais antigo exemplar conhecido, onde estão ilustradas as alfaias do Templo de Jerusalém.
Esta tradição começou em Espanha, e supõem-se que este Tanach foi escrito e ilustrado por Salomão ben Raphael.

 

Biblioteca Nacional de França - Paris.





Iluminura de uma página do Tanach, Espanha, ano de 1470.
Nesta obra sagrada para o judaísmo, constam no seu interior  magníficas páginas iluminadas em língua hebraica, ricamente ilustradas com representações não figurativas de estilo geométrico.



Biblioteca Real de Copenhaga - Dinamarca.



Tanach תנ״ך - é composto por 24 livros, cinco são a Torá, oito o Nevim e onze o Ketuvim.

Este e demais património sefardita, continuará ausente da admiração do público espanhol e português até quando ?

Do cristão-novo Francisco Rodrigues Lobo







Mote
 

Vai o rio de monte a monte,
Como passarei sem ponte?


Voltas


É o vau mui arriscado,
Só nele é certo o perigo;
O tempo como inimigo
Tem-me o caminho tomado.
Num monte está meu cuidado,
E eu, posto aqui noutro monte,
Como passarei sem ponte?

Tudo quanto a vista alcança
Coberto de males vejo:
D'aquém fica meu desejo
E d'além minha esperança.
Esta, contínua, me cansa
Porque está sempre defronte:
Como passarei sem ponte?


 
 
 
Primavera, Vales e Montes..., Floresta Quinta


terça-feira, 22 de novembro de 2011

Kibutz - Um projecto de vida diferente...








VOLUNTEERS - KIBBUTZ PROGRAM CENTER

6 Frishman Str./cr. Hayarkon

Tel-Aviv 61030
Tel: 972-3-5246154/6 Fax: 972-3-5239966





Assim disse ele...









"Os judeus deixaram como herança à humanidade duas abomináveis maldições:
A circuncisão - a mutilação do corpo, e a consciência na alma humana."



Adolf Hitler



Efeméride



(22 de Novembro de 1580)


Há 431 anos, caso único aconteceu em Portugal.



A gente do Fundão, neste caso diga-se da verdade foram os
os cristãos-velhos, que ousadamente agrediram os emissários da Inquisição, que ali se deslocaram para deter cristãos-novos, alguns deles, figuras proeminentes da economia local. 
Este acto de defesa em relação aos seus vizinhos evitou a detenção dos mesmos, e  enfureceu, e de  que maneira, os esbirros da intolerância contra esta terra beirã.




Fonte: "Jornal do Fundão"








sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Oração de um cripto-judeu português no século XVII




”Alto Senhor de Israel,
Deus eterno, onipotente,
Escute as sentidas queixas
De teu povo descontente.


Aplaquem-se as justas iras
Da Majestade ofendida
De novo sentiremos a graça
Há muito tempo perdida.

Juiz de toda a terra,
Deus augusto e poderoso
A teu povo suplicante
Ouvido presta piedoso.

Quebra, Senhor, este jugo,
Que nos pesa desumano,
Libera-nos, Senhor, libera-nos
Das garras deste tirano.

Há três anos que teu povo
Em ferros geme e suspira
Bastem os males passados
Aplaque-se Tua ira.

Nossas culpas são imensas
Nossos delitos pesados
Mas Tua misericórdia
É maior que nossos pecados.

Libertaste-nos de um Faraó.
Por santo prodígio novo,
De outro Faraó mais duro
Outra vez liberta Teu povo.

O poder deste malvado,
Que nos oprime sem dó,
Cairá, bem como caíram,
Os muros de Jericó.

Teu povo, naquele tempo,
Mil vezes, Senhor, pecou,
Mas Tua clemência
Mil vezes o perdoou.

Se te ofendemos, Senhor,
Sobre nós caia o castigo,
Mas nos venha de Tuas mãos
E não de nosso inimigo.

A Tua voz formidável,
Quebre os duros grilhões
Hoje, porque é Teu dia,
Deve ser dos perdões.

Para nós é a ventura
Para Ti, Senhor, a glória,
Que Teu dia sacrossanto
Seja o dia da vitória.





Prece para Yom Kipur, escrita em ladino, e posteriormente traduzida para o português.


Fonte: "Los criptojudios" (pp. 247-249), de Boleslao Lewin, Buenos Aires, ano - 1987. 

Tradução feita por Jane Bichmacher de Glasman 
  
A frase da semana






"A incompreensão do presente nasce fatalmente da ignorância do passado."


Marc Bloch



Efeméride

(18 de Novembro de 1571)

A cidade de Ferrara (Itália), foi neste dia fortemente sacudida por um violento terramoto. Curiosamente, a comunidade judaica foi "milagrosamente" poupada à catástrofe.


 


quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Pela reabilitação do nome e da honra do Capitão Artur Barros Basto



BARROS BASTO. O CAPITÃO MAL AMADO


Assine esta petição:



Obrigado !


Bandeira de Portugal






"Sábio é aquele que todos os dias aprende. É forte o que vence a si mesmo. Rico o que se contenta com o que possui. Só aquele que respeita a pessoa humana, merece por sua vez respeito."



Provérbio judeu


"O Beijo", cartoon de Henrique Monteiro

 



 
A Casa da América Latina em Lisboa Apresenta:
"Frida Kahlo" As Suas Fotografias




Frida Kahlo



Exposição de Fotografia

250 Fotografias do Arquivo Privado da Pintora

Até ao dia 29 de Janeiro - Pavilhão Preto
Museu da Cidade




domingo, 13 de novembro de 2011

A Arte de Chava Roth



 
 Jerusalém




 

O Telefone - invenção de Johann Philipp Reis



Thumbnail of Johann Philipp Reis



Johann Philipp Reis (1834-1874), inventor alemão descendente de judeus sefarditas portugueses. Reis nasceu a 7 de Janeiro de 1834 na pequena cidade de Gelnhausen, próximo de Frankfurt, na Alemanha. Seu pai, Segismundo Reis, um padeiro , era filho de judeus sefarditas portugueses oriundos da Beira Baixa que emigraram para a Alemanha nos finais do século XVIII.




Ler mais em: "Associação Marrana e Sefardita"

Visita virtual ao Beit Hamikdash e à cidade de Jerusalém


sexta-feira, 11 de novembro de 2011

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Assim disse ele...




  
“O sono da manhã, o vinho ao meio-dia, as conversas frívolas e a convivência com ignorantes, abreviam a vida humana.”

 
Moisés ben Maimónides

Efeméride


(9 e 10 de Novembro de 1938)






A Noite de Cristal, no alemão Kristallnacht, é a designação mais conhecida para os terríveis e violentos actos anti-semitas levados a cabo no Reich hitleriano, ocorridos na noite de 9 de Novembro de 1938, e já em menor escala na noite de 10.


Elie Wiesel chamou à Kristallnacht: “Uma bofetada no rosto da Humanidade”. E o mundo voltou a face uma vez mais !!!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Registo das Circuncisões do português Jacob de Mezas, Bordeaux - 1706



Letras-Português


Thesoro de los circumsisados que haze iahacob de mesas empesado de edad 25 anos …
Registre des circoncis faits par Jacob de Mezas depuis l'âge de 25 ans. Le tout soit pour l'honneur, la gloire et la louange de l'Eternel, D.ieu d'Israël. Suppliant Sa Divine Majesté pour qu'Il circoncise nos cœurs pour le servir avec amour et crainte, rapprochant tout Israël du bien promis, (que ce soit de nos jours). Amen, Bordeaux, 14 Adar an 5466, qui correspond au 28 février 1706."

 

C'est ainsi que s'ouvre le Thesoro de los circumsisados, registre des circoncisions effectuées par Jacob de Mezas. Ce document est conservé aux Archives municipales de Bordeaux, et a été étudié par L.Cardozo de Bethencourt dans la Revue des Etudes Juives XXVI, 24 de l'année 1893.




Bordeaux est à cette époque le centre d'une communauté juive portugaise, ayant fuit le Portugal et ses persécutions inquisitoriales. Nombre de "nouveaux chrétiens" y sont redevenus à nouveau juifs. S'y trouve aussi quelques juifs d'origine espagnole. Le portugais est la langue de cette communauté, et d'ailleurs le registre est tenu les premières années en portugais. Bordeaux est une plaque tournante de ces communautés portugaises que l'on retrouve aussi à Londres et Amsterdam, où elles contribuent à l'essor économique du pays...



Archives Municipales de Bordeaux 


Ler mais em : http://aharon.perso.sfr.fr/rej-thesoro.htm
 

Marcas da presença de cristãos-novos na Covilhã

 




GABINETE TÉCNICO LOCAL
Centro Histórico da Covilhã - JUDIARIA


> Levantamento de Marcas Cruciformes (Ficheiro PDF - 2,83 Mb)
O trabalho apresentado corresponde a um levantamento, em curso, efectuado pela equipa do Gabinete Técnico Local na cidade da Covilhã.
Estas marcas cruciformes, normalmente gravadas em ombreiras de portas em imóveis de traça ou raiz quinhentista, são um testemunho original dessa época, relacionado com a  presença de uma comunidade judaica e de cristãos novos.
A existência destes símbolos, espalhados um pouco por toda a zona antiga da cidade, são mais uma peça para a construção da História da nossa cidade e mais uma boa razão para redescobrirmos a zona histórica da Covilhã e sua envolvente.


Fonte: "Município da Covilhã"


Congratulo-me com a iniciativa levada a efeito pelo Município da Covilhã, na recolha e defesa do seu património histórico. Este é um excelente exemplo a seguir em muitas câmaras do nosso país.


"A Perspectiva das Coisas"




Exposição dedicada ao tema da natureza morta no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian, até 8 de Janeiro de 2012 - Esta exposição abarca o período entre 1840 e 1955, e reunirá cerca 50 artistas consagrados, como Paul Cézanne, Max Ernst, Salvador Dali, Marcel Duchamp, Paul Gauguin, Emil Nolde, René Magritte, Ferdinand Léger, Claude Monet e Juan Gris.


ENTRADA - 5 euros




domingo, 6 de novembro de 2011

Município de Alenquer na Rede de Judiarias





Photobucket  



A Vila de Alenquer já aderiu 
à Rede de Judiarias de Portugal

  








O topónimo «Judiaria» resistiu, em Alenquer, ao passar dos séculos e continua a identificar um bairro (composto pela rua, travessa e beco da Judiaria) inserido na zona histórica da vila e a assinalar o local de fixação da comunidade judaica de Alenquer, que teve alguma importância na Idade Média.
O historiador local Guilherme Henriques refere-se-lhe, nestes termos:
«No fim da rua dos Muros, próximo à Porta de Nossa Senhora da Conceição, existem uns quintais e casas arruinadas denominados ‘a Judiaria’. Era aqui o bairro particular dessa raça laboriosa e proscrita […] e o facto dele ficar reduzido a quintais foi, provavelmente, pela repugnância que os cristãos sentiam de habitar as casas que tinham servido a este povo perseguido e desprezado.»





Ler mais em: