Número total de visualizações de página

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Iluminuras e manuscritos





Entre os danos irreparáveis que acarretou para Portugal o decreto de expulsão de 1496, um deles foi na saída do país de milhares de livros extraordinários, religiosos e não só, também no campo literário e cientifico, livros esses que simbolizavam um conhecimento único e moderno da época.


Contribuiu para o engrandecimento das artes a escola de iluminura hebraica de Lisboa no final do século XV, e a criação das primeiras tipografias em Portugal - Faro, Lisboa e Leiria.


Destaco aqui para alguns exemplos de iluminuras e manuscritos hebraicos que saíram de Portugal e Espanha, e que hoje integram o espólio de diversos museus, bibliotecas e colecções privadas em países como a Inglaterra, os Estados Unidos, a Suiça ou a Dinamarca.








Detalhe do Mishne Torah, de Moisés Maimónides.
Lisboa - 1472.

British Library, Londres





Bíblia de Lisboa  - O códice mais completo da Escola Medieval Portuguesa 
de Iluminuras Hebraicas. Completada em 1482.

British Library








Detalhe do "Guia para os Perplexos", Moisés Maimónides, 1348 Barcelona.

 Biblioteca Real de Copenhaga






Iluminura de um manuscrito da Haggadah.
Catalunha - Espanha - século XIV.





 Astronomia e calendário - França ou Espanha, século XV.

British Library





Comentário do Pentateuco, de Moisés ben Nahman , (Nachmanides) publicado por Eliezer Toledano.
Este exemplar foi impresso em Lisboa na segunda metade do século XV.

Biblioteca do Congresso - Estados Unidos da América







Este manuscrito refere-se ao "primeiro livro" impresso no continente africano
 sobre liturgia hebraica, e é quase uma cópia do "Abudrahan", publicado em Lisboa no ano de 1489.
O livro foi impresso por Samuel Nedivot e seu filho Isaac.
Após a sua expulsão de Portugal, ambos se estabeleceram em Fez, onde criaram uma oficina de impressão de livros.
Fez - Marrocos - 1516


Biblioteca do Congresso - Estados Unidos da América






A Península Ibérica ficou irremediavelmente mais pobre, enquanto que outras nações beneficiaram com este exílio forçado dos judeus peninsulares, engrandecendo as suas sociedades nos mais variados campos.




Fontes:

 www.filorbis.pt - Carlos Fontes
avodahpress.com
britishlibrary.typepad.co.uk
www.collectionscanada.gc.ca
www.jewishvirtuallibrary.org