Número total de visualizações de página

domingo, 30 de setembro de 2012

Chag Sucot Sameach





Judeus portugueses de Amesterdão celebram o festival de Sukkot, Bernard Picart, 1728.


Sucot - Festa das Cabanas, prolonga-se por sete dias e relembra a permanência dos hebreus no deserto. É também uma festa que está ligada com a natureza e clima de Israel, (bate com a estação das colheitas).

Principais Mitzvot - Preceitos

Construção de uma Sucá (cabana), e viver nela durante este período.
Abençoar as quatro espécies - Netilat Luvav.


Sendo que o sétimo dia é designado de Hoshaná Rabá, o último dia do "julgamento" divino.



Sefarditas e cristãos-novos portugueses em documentos arquivísticos de Roma


Recolha de James Nelson Novoa



Located in Not. AC. 6142 ASR.  Published in “Portugal in Rome: Glimpses of the Portuguese New Christian representation in Rome through the Archivio di Stato of Rome”, in Giornale di Storia, 3 (2010).



Cátedra Alberto Benveniste - Centro de Documentação



(Clicar em baixo)




 

Música Sefardita



Shavua tov !!!



quinta-feira, 27 de setembro de 2012

"Portugal e o Holocausto", na Fundação Calouste Gulbenkian
 
 
 
Conferência - dias 29 e 30 de Outubro na Gulbenkian, Lisboa
 


 
 
 



Para mais informações, clicar em baixo:
 
 
 

Guia das Judiarias de Aragão








Atraente e rigoroso, eis um guia para os bairros judeus de Aragão. Um convite a descobrir um legado pouco conhecido, mas muito presente em muitas cidades aragonesas: Conheça um pouco da história, arte,  AS TRADIÇÕES, MISTÉRIOS,  os vestígios das ANTIGAS sinagogas, hospitais, cemitérios, ruas, casas e outros lugares da aragão hebraica.
 
 
Via: Judería de Luna

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Algumas leis relacionadas com Yom Kipur





Costuma-se fazer caparot – abate de um galo, para um homem, e de uma galinha, para uma mulher no dia 9 de Tishrei de madrugada, 25 de setembro, por um shochet qualificado. Também é possível cumprir este costume com dinheiro, doando-o para tzedacá.
É proibido jejuar no dia que precede Yom Kipur, mesmo se este jejum for Taanit Halom. É, ao contrário, uma mitzvá fazer uma refeição adicional. A refeição que antecede o jejum deve ter pão e pratos de fácil digestão e ser concluída 20 minutos antes do pôr-do-sol. Bebidas alcoólicas são proibidas.
As mulheres devem acender as velas antes de ir à sinagoga, dizendo a bênção “Lehadlik Ner Shel Yom HaKipurim”. Se a mulher quiser locomover-se de automóvel ou usar o elevador antes do início de Yom Kipur, deverá, antes de acender as velas, fazer uma ressalva dizendo que não está recebendo Yom Kipur, com o acto de acendimento das velas.
É, porém, necessário antecipar o recebimento de Yom Kipur para antes do pôr-do-sol.
É costume os pais abençoarem os filhos, pedindo que estes sejam selados no Livro da Vida e que,
em seus corações, permaneça sempre o amor a D’us. Convém também ir à sinagoga antes do pôr-do-sol, para poder participar do Kol Nidrei, a “anulação dos votos”.



Restrições durante Yom Kipur


  Yom Kipur é o Shabat dos Shabatot e, portanto, todo trabalho profano deve cessar e todas as leis do Shabat devem ser respeitadas. Assim como no Shabat, é proibido carregar sobre si qualquer objecto durante Yom Kipur. Além de observar as leis do Shabat, em Yom Kipur outras cinco restrições são acrescidas:
“Não comer, não beber, não trabalhar, não se lavar e nem massagear a pele (perfumes, cremes etc.), não calçar couro, não ter relações conjugais”.
O jejum diz respeito tanto aos homens quanto às mulheres, mesmo se grávidas ou amamentando. Só em caso de doença ou onde haja algum perigo à vida, o jejum pode ser suspenso (consulte seu rabino). As crianças de 9 a 10 anos podem jejuar algumas horas, e, a partir dos 11 anos, conforme avaliação dos pais, podem jejuar o dia todo. Mais, o jejum torna-se obrigatório aos 12 anos, para meninas, e aos 13, para meninos.
O uso de sapato, sandálias ou tênis de couro é proibido tanto para homens como para mulheres. As crianças também devem ser orientadas neste sentido.
Ao término de Yom Kipur, a Havdalá deve ser feita sem bessamim, e a Bênção da Luz deve ser feita sobre uma vela que permaneceu acesa desde o dia anterior.




Via: Revista Morashá


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Shabat Shalom




Judiarias de Córdoba e Lucena - Encontros Culturais




Dias 20 e 21 de Outubro





Fonte: Destino Sefarad
Actividades culturais - Espanha



 
 
BARCELONA
 
 

DÍA 27. Nuevas poesías de Jaime Vándor. El 27 de septiembre, a las 19h, tendrá lugar la presentación del nuevo libro de poesías de Jaime Vándor Más acá del Bien y del Mal (Sefarad Editores) con la intervención de Marifé Santiago Bolaños, Alfonso Levy, Vicenç Villatoro, Horacio Kohan y el autor. En el prólogo de este libro, escribió la poeta Marifé Santiago Bolaños: “Más acá del Bien y del Mal es un viaje iniciático, una discreta odisea que deja la huella de los días al pie del poema, como un testimonio ofrecido. ... Sagrado misterio, humano absolutamente humano, de la armonía. Un modo de velar por ella es agradecer que Jaime Vándor haya escrito esta hermosa ofrenda.” El acto tendrá lugar en Casa del Llibre (Rambla de Catalunya, 37).
 
DÍAS 27 y 28. Jornadas Internacionales sobre los judíos mediterráneos. La Conferencia internacional “Entre Europa y África del Norte: judíos de ida y vuelta” está dedicada al estudio de las relaciones entre las sociedades europeas y norafricanas, a las poblaciones judías del mediterráneo y al antisemitismo. Se presta especial atención a España y Marruecos, y a la población sefardí de ambas riberas. Coordinadores: Eloy Martín Corrales y Maite Ojeda Mata. Destacan las intervenciones de Elisa Caselli,  Jaume Torras, Colette Zytnicki, Irene González, Danielle Rozenberg, Gonzalo Álvarez Chillida, Fernando Bravo López, Javier Domínguez Arriba, Sadok Boubaker y Antoni Luna. En el cierre de las jornadas se presentará el libro Identidades Ambivalentes. Sefardíes en la España contemporánea de Maite Ojeda Mata (Sefarad Editores). Será los días 27 y 28 de septiembre en el Campus Ciutadella de la Universitat Pompeu Fabra, Auditori de Mercè Rodoreda (c/ Ramon Trias Fargas, 25). ). Información: 93 542 19 55; departament.humanitats@upf.edu; http://www.upf.edu/grimse. Entrada libre.
 
Exposición de Salomón ben Adret en el MUHBA. El Museo de Historia de Barcelona continúa exhibiendo “Salomón ben Adret de Barcelona (1235-1310). El triunfo de una ortodoxia”. Una exposición alrededor de la figura del rabino Salomón ben Adret que pretende sacar del olvido su figura imprescindible en la cultura medieval. Un barcelonés tan universal en el espacio, del mediterráneo al centro de Europa, como en el tiempo. Sus obras siguen vigentes hoy y han transcendido a su autor y a su época. Salomón ben Adret, gran rabino de la ciudad de Barcelona durante la segunda mitad del s. XIII y principio del XIV, fue una de las figuras más importantes en el ámbito cultural de su tiempo. La exposición ha sido asesorada por el hebraísta Manuel Forcano y por la historiadora Victoria Mora. La exposición puede visitarse hasta final de este año, de 11 a 14h de miércoles a viernes, 11 a 15h los sábados y 11 a 18h los domingos. Más información: MUHBA tel.: 932 562 122; www.museuhistoria.bcn.cat.
 
 
GIRONA
 


Hasta el DÍA 30. Ediciones bíblicas en el Museo de Historia de los Judíos. El Museo de Historia de los Judíos (c/ Força, 8) exhibe hasta fin de este mes una colección de ediciones bíblicas del Fondo de Libros Antiguos de la Biblioteca E. E. Schalit, bajo el título de “Biblia, los Libros del Libro”. Esta colección de libros abarca un arco cronológico extenso, desde el siglo XVI hasta la actualidad. Son piezas que tienen un especial valor e interés tanto por su antigüedad (el más antiguo data de 1595) como por su contenido: biblias hebreas originales, ediciones facsímiles de ejemplares medievales, mapas e ilustraciones de las tierras y los pueblos de la Biblia, tratados y compendios gramaticales de las lenguas bíblicas, así como todo tipo de ediciones destinadas al público infantil.


 
MADRID
 
 
 
DÍA 23. Julie Taymor en el Teatro Fernán Gómez. El ciclo “Times Talks Madrid”, de conversaciones en vivo con protagonistas de las artes y la cultura que promueve The New York Times en el Teatro Fernán Gómez, ofrece el 23 de septiembre una conversación con la directora de cine y teatro Julie Taymor sobre su obra (El Rey León, Spider Man: Turn Off the Dark, Frida y La Tempestad). Julie Taymor recibió el premio Tony en 1997 por el Rey León —el primer Tony "de dirección" entregado a una mujer en cincuenta años de historia de de los premios Tony. El trabajo de amplio alcance de Taymor abarca teatro, ópera, cine y televisión, en los que a menudo utiliza máscaras y títeres, por el que ha recibido multitud de premios. Taymor nació en 1952, la más joven de las cuatro hijas de Betty Bernstein, activista en la política demócrata, y Melvin Taymor (m. 1997), ginecólogo. Criada en un hogar judío secular en Newton, Massachusetts, un suburbio de Boston, estudió teatro desde la edad de diez años. En el mundo judío se la recuerda por el diseño de disfraces, máscaras y títeres, entre 1980 y 1982, para La Hagadá, un espectáculo concebido, compuesta y dirigido por Elizabeth Swados para el Shakespeare Festival de Nueva York que recibió el premio de teatro del Village.
 
 
DÍA 24. Sefarad Convivencia: diálogo con Mario Muchnik. Centro Sefarad-Israel, a través de su iniciativa Sefarad Convivencia, promueve acciones vinculadas a la cultura y a la educación con el objetivo de fomentar actitudes de respeto y de tolerancia. En esta ocasión el protagonista será Mario Muchnik, cuya exposición fotográfica “Instantes Robados” se pudo apreciar en el Centro desde el pasado mayo. Mario Muchnik nació en Buenos Aires en 1931 en el seno de una familia judía; licenciado en Física en la Universidad de Columbia (Nueva York), llegó a España en los años 70 para convertirse en uno de los editores más importantes de nuestro país. 24 de septiembre, 19.30 horas. Palacio de Cañete (Mayor, 69). Entrada libre.
 
 
 
 
(Carta de Sefarad)

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

III Festival da Memória Sefardita



Trancoso - Belmonte
 
 
 
 
 
 
No dia 20 de Outubro de 2012, em Trancoso (Serra da Estrela), decorrerá a inauguração do Centro de Interpretação da Cultura Judaíca Isaac Cardoso. No dia 21 de Outubro de 2012, em Belmonte/Sabugal (Serra da Estrela), decorrerá a inauguração do Espaço "Rede de Judiarias de Portugal".
 
 
 
 
Via: Café Portugal
 

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Asseret Yemei Teshuvá - Os Dez Dias de Arrependimento



עשרת ימי תשובה






Os dez dias de arrependimento começam com Rosh Hashanah e terminam com Yom Kipur, estes dez dias são designados de Asseret Yemei Teshuvá.
Nestes dias somos julgados por D´us e o shofar é tocado para despertar o nosso arrependimento pelos actos cometidos durante todo um ano.
É um momento de profunda introspecção interior e de auto-avaliação, que deve ser sobretudo honesto, sem subterfúgios de qualquer espécie. É um tempo para analisar as acções menos correctas por nós cometidas antes de Yom Kipur.
É nesta ocasião que cada um de nós espera ser inscrito no "Livro da Vida", pois em relação aos outros dois (Livro da Morte e Livro dos Medianos), francamente dispenso.
Estes livros são escritos em Rosh Hashanah (Ano Novo Judaico), mas as nossas acções durante este período podem perfeitamente ser alteradas, dependendo do decreto de Hashem. As acções que alteram o decreto são "Teshuvá/Tefilah e Tsedacá", arrependimento, oração e caridade.
Os livros serão selados no Yom Kipur, sendo que este conceito de escrever nos livros dá origem à saudação comum, "Que sejamos inscritos e selados no Livro da Vida".
Entre as tradições da época, é normal e salutar procurar a reconciliação com pessoas que possamos ter prejudicado, difamado ou cometido qualquer outra injustiça. O Talmude afirma que Yom Kipur expia apenas as infracções entre o homem e D´us, para expiar a má conduta contra outra pessoa, devemos procurar essa mesma pessoa e se necessário pedir desculpa pessoalmente, só assim a meu ver, tem realmente valor a sua intenção de pedir perdão, caso contrário, é um teatro hipócrita e sem sentido nenhum, apenas para descarga de uma consciência "com peso a mais".
Após o segundo dia de Rosh Hashanah, é o Yom Guedalia, um jejum público diurno em memória de Guedalia, o governador de Judah, assassinado após a destruição do Primeiro Templo, em 586 a.e.c.
O Shabat que ocorre neste período é designado como Shabat Shuvah (O Sábado do Retorno).
Entre o mês de Elul até Kipur, vive-se os Dias de Temor - Yamim Noraim - ימים נוראים



Fontes: www.alljewishlinks.com/www.chabad.org.br


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

TIZKU LESHANIM RABOT







Um feliz ano 5773 !!!



Guarda recebe 2º ciclo de Cultura Judaica







A cidade da Guarda vai acolher o 2º ciclo de Cultura Judaica, entre os dias 19 e 20 de Setembro.
No primeiro dia, quarta-feira, o destaque do evento vai para as visitas guiadas ao Museu Judaico e à Sinagoga de Belmonte, além da animação de rua e de um espectáculo de música sefardita. Já no dia 20, vai decorrer o seminário “Património e Cultura Judaica, Potencialidades e Formas de Divulgação”, no Auditório do Paço da Cultura, com dois painéis: “Turismo, Espaços e Equipamentos Museológicos” e “Recursos Endógenos – Potencialidades e Formas de Valorização”.



Via: www.Guarda.pt



Vestígios e memórias do passado    




Portugal vai ainda guardando algumas surpresas arqueológicas sobre a presença judaica e marrana um pouco por todo o lado. Estejamos atentos e possamos divulgar os seus achados, património importante de um legado que teima em não querer ficar anónimo.







(Clicar em baixo)

Ovar


Jornal João Semana (15/06/2012)
Texto de Manuel Pires Bastos


Rir é o melhor remédio




Na alfaiataria entra um padre e encomenda uma batina. Quando vai buscá-la, após a clássica pergunta: \"Quanto é?\", o alfaiate explica:
- Nada, não senhor! Eu não costumo cobrar de religiosos.
O padre agradece, surpreso, e alguns dias depois lhe envia um lindo crucifixo.
Dias depois, um pastor evangélico ouve a mesma resposta.
O pastor agradece e mais tarde lhe envia uma Bíblia como presente. Depois é a vez de um rabino.
- Quanto lhe devo? - pergunta ele, na hora de retirar a encomenda.
- Nada! Eu não costumo cobrar de religiosos!
No dia seguinte, o rabino envia-lhe um outro rabino.



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Por cá, os nossos "queridos" políticos continuam a brincar com o fogo !!!








Não há semana em que os portugueses não sejam "bafejados" com aumentos de preços e cortes nos seus já magros orçamentos familiares.


Até quando meus senhores ? Vou corrigir, até quando a canalha política continuará a brincar com todos nós ?


A frase da semana







"Vencerei os rebeldes, não importa a que preço."



Bashar al-Assad
(Presidente da Síria)

Fonte: Revista Visão - 30 de Agosto a 5 de Setembro de 2012




segunda-feira, 10 de setembro de 2012

MOTELx - Festival de Cinema de Terror





De 12 a 16 de Setembro, sessões a partir das 13h00.
 Cinema de São Jorge 
Av. da Liberdade, 175 - Lisboa



Mais informações em: http://www.motelx.org/




domingo, 9 de setembro de 2012

Figuras e factos



Abraão Pharar ou Abraão Farrar







Abraão Pharar(? — 1663), foi um médico, poeta e religioso judeu nascido em Portugal (no Porto), e como muitos outros portugueses foi vítima das perseguições religiosas, refugiando-se na Holanda. Na cidade de Amesterdão foi amigo de Menasseh ben Israel e um discípulo de Saul Levi Morteira.
Sua obra mais conhecida chama-se Declaração das 613 Encomendanças, publicada em 1627, por industria e despesa de Abraham Pharar, judeu do desterro de Portugal.
 
 
 
 
Via: http://pt.wikipedia.org/wiki/Abraham_Pharar

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Interior da Sinagoga Portuguesa de Amesterdão






Gravura do século XVII, Paris - Biblioteca Nacional.

Via: Portal Anussim




Naftali Herstik, Alberto Mizrachi, Benzion Miller with the Neimah Singers - Tumbalalaika







quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Mi Chamocha (Quem é como Tu)







 *A prece-poema Mi Chamocha (Quem é como Tu), redigida por Isaac Aboab da Fonseca durante o terrível cerco das forças luso-brasileiras em 1646, retrata a fome e o desespero de todos os habitantes do Recife. Testemunhos holandeses são ainda mais dramáticos revelando como a população foi obrigada a alimentar-se de cães e gatos.
O poema também é uma prece em agradecimento pela chegada de dois navios holandeses carregados de provisões, o Walk e o Elizabeth.


** Rabino e escritor português. É o primeiro religioso de origem judaica a chegar ao Brasil. Isaac Aboab da Fonseca (1605-1693) nasce em Castro Daire e, ainda criança, é levado para a Holanda. Nesse período, a Inquisição tem grande poder em Portugal, e milhares de famílias de judeus portugueses são expulsas do país. A Coroa holandesa, que actuava na vanguarda do movimento de reforma do catolicismo, adopta a política de acolher perseguidos religiosos de várias partes da Europa. A maioria dos judeus emigrantes que se estabelece no país vive na penúria. Com a tomada do Recife pela Holanda, esses grupos são atraídos pela oportunidade de progredir na mais rica capitania portuguesa da época, e navios fretados por judeus passam a chegar quase todo mês no Recife. Para chefiar essa comunidade judaica, em crescimento acelerado no Recife, é enviado ao Brasil em 1642 o rabino Fonseca, que passa a ser o primeiro religioso judeu das Américas. Nessa condição se torna o primeiro escritor de textos literários em hebraico do Novo Mundo, ao redigir três orações em que relata o sofrimento e as provações por que já passara o povo judeu. Em 1654, com a retomada da cidade pelos portugueses e a hostilidade para com os judeus, por causa da intolerância religiosa que existiu em algumas épocas em Portugal, o rabino retorna a Amesterdão para reencontrar sua família. Trabalha como director da Academia Religiosa e participa do tribunal que excomunga o filósofo Benedito Spinoza, em 1656. Escreve várias obras em castelhano e em hebraico. Também conhecido pelo apelido São João de Luz, morre em Amesterdão, aos 88 anos.


*** Teatro Do Descobrimento - Anna Maria Kieffer e Grupo ANIMA - Música no Brasil nos séculos XVI e XVII

Anna Maria Kieffer (concepção)

Cantigas ibéricas (sécs. XIII-XVI)
Cantigas tradicionais brasileiras
Cantos indígenas recolhidos por Jean de Léry, Hans Staden, José de Anchieta e Gregório de Matos
Música no Brasil holandês - A Sinagoga do Recife
A presença africana

Anna Maria Kieffer, mezzo-soprano
Ruben Araujo, tenor
David Kullock, barítono
Mario Solimene, baixo
André Litwak Gassoul, shofar (participação)

ANIMA:
Isa Taube, soprano
Ivan Vilela, violas
João Carlos Dalgalarrondo, percussão
Luiz Henrique Fiaminghi, rabecas brasileiras
Patricia Gatti, cravo
Valeria Bittar, flautas



Via: You Tube



Feira Setecentista de Queluz


   
   
Tiedosto:Palacio Queluz geral1.JPG



Recriação de uma feira do século XVIII, dias 14 - 15  e 16 de Setembro.
A feira decorrerá no largo fronteiro ao Palácio de Queluz.






Mais informações: dtur@cm-sintra.pt
www.cm-sintra.pt
www.sintraromantica.net



A frase da semana








"O que é pena é que neste areal da vida, onde cada um segue o seu caminho, não haja nem tolerância nem humildade para respeitar o norte que o vizinho escolheu."




Miguel Torga
 Diário (1937)




Vestígios e memórias do passado




Belíssimo exemplar de um Hechal, localizado numa casa da judiaria da guarda - Portugal 






Fotografia de Natália Bispo


quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Vestígios da Barcelona Judia








Cemitério Judeu de Segóvia




Revogação





Nem édito nem alma do avesso.
Revogo a minha própria negação.
Quinhentos anos depois peço
...
perdão.

Sou esse Portugal que não voltou
e guardo ainda a chave e a raiz.
Eu sou quem a si mesmo se expulsou
sou o país que falta ao meu país.

Eu português que sou esse outro eu
que me tiraram há quinhentos anos.
Sou a parte de mim que se perdeu
eu sou eu mesmo todos os marranos

Sou a parte de mim que falta e dói
sou a parte de mim de mim distante
sou cada cristão-novo que se foi
eu sou eu mesmo esse judeu errante.


30 Anos de Poesia, de Manuel Alegre,


2ª edição aumentada: Publicações Dom Quixote, 1997 - pág. 741]



(Enviado por António Coelho)

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Mercado em Belmonte



II Mercado Judaico
bELMONTE, DIA 23 DE sETEMBRO





(Enviado por Paula Rodrigues)
Portugueses Vitimas da Inquisição Espanhola





Auto de fé em Lima, Peru, 1680


Pouco conhecimento haverá na historiografia nacional, sobre o real número de cristãos-novos portugueses detidos nas masmorras da Inquisição espanhola, sendo certo que muitos deles,  foram por esta instituição condenados e posteriormente executados em nome de Deus,  nas então colónias da América Central e do Sul sob domínio de Espanha. 
Carlos Fontes revela-nos neste seu texto um pequeno mas elucidativo "mostruário"
de algumas dessas vítimas da intolerância religiosa, focando principalmente os séculos XVI e XVII.


  
 Auto de fé de 1649 na Cidade do México. Alfonso Toro, La familia Carvajal, vol. 1 (México, 1944).
Gravura retirada de:  http://www.nps.gov/history/history


(Clicar em baixo)
  

segunda-feira, 3 de setembro de 2012