Número total de visualizações de página

sexta-feira, 27 de maio de 2011

"A teia das sondagens", cartoon de Henrique Monteiro






Figuras e factos


O cristão-novo Francisco da Fonseca Henriques,  mais conhecido por (Dr. Mirandela)

 

 
Nasceu em Trás-os-Montes, mais precisamente em Mirandela, a 6 de Outubro de 1665, e faleceu em Lisboa, a 17 de Abril de 1731. Formou-se em Medicina pela Universidade de Coimbra e foi médico do rei D. João V (O Magnânimo). Francisco da Fonseca Henriques foi um ilustre filho da "Gente da Nação" portuguesa, autor de vários tratados científicos e um especialista afamado da doença então bastante terrível, a sífilis.
Publicou algumas obras como a "Medicina Lusitana e o Socorro Délfico" em 1711, a "Higiene" em 1721, e o "Aquilégio Medicinal" já em 1726, cinco anos antes de morrer.



Faleceu na cidade de Lisboa em 1731, num sábado, vítima de lesão cardíaca.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Efeméride 


(26 de Maio de 1171)
  
Trinta e quatro judeus e dezassete judias são queimados vivos em Blois, França. É a primeira vez no continente europeu que judeus são acusados por motivos puramente anti-semitas, de terem utilizado o sangue de cristãos em rituais judaicos.







Frase da semana




"Todo o nosso conhecimento se inicia com sentimentos."


Leonardo da Vinci
(1452 - 1519)



  



sábado, 21 de maio de 2011

Efeméride



(21 de Maio de 1577)

 


Os cristãos-novos portugueses recebem a permissão de se estabelecerem no Brasil.
Deu-se então início há partida para terras da América do Sul de muitas centenas de famílias oriundas de todo o país.

Hoje, Portugal e Brasil são os dois países com mais descendentes de anussim.



quinta-feira, 19 de maio de 2011

Hija Mia - lyrics/letras ( Andalo-Sefardic song - Amina Alaoui)






Figuras e factos




Salomão Gabirol



  Ibn Gabirol (1021-1058)



"O fundo de uma agulha é bastante espaçoso para dois enamorados; mas o mundo todo é pequeno para dois inimigos."


Salomão ibn Gabirol

Filósofo e poeta judeu nascido em Málaga em 1021, morreu em Valência no ano de 1058.



Yosef Caro






Yosef Caro nasceu em Portugal no ano de 1488, mas como milhares de judeus, foi obrigado a sair do país com a família e ir para a Turquia, devido ao decreto de expulsão de 1496.
Anos mais tarde, Yosef Caro viajou pela Bulgária e Grécia, e posteriormente foi para a Terra Santa, escolhendo a localidade de Safed, (Galileia) para viver.
Faleceu a 24 de Março de 1575.
Este enorme sábio é o autor da obra "Sulchan Aruch", uma compilação das leis do Talmud, escrita em 1563, e que ainda hoje é a base do código da lei do judaísmo.



Efemérides



(19 de Maio de 1941)

O Palmach – unidades de comando, que se tornarão no núcleo mais bem treinado e experiente das futuras forças armadas de Israel, (IDF) é fundado por Yitzhak Sade.





(19 de Maio de 1936)

Neste dia é criado por decreto a Organização Nacional Mocidade Portuguesa.
 

 

terça-feira, 17 de maio de 2011

A frase da semana






"Quem não lê, não quer saber; quem não quer saber, quer errar".



Padre António Vieira



segunda-feira, 16 de maio de 2011

Efeméride



(16 de Maio de 1943)


O levantamento do Gueto de Varsóvia chega finalmente ao fim, quando soldados das S.S. tomam controle do gueto judeu. Os últimos resistentes e habitantes do gueto são levados para Treblinka.
A sinagoga Tolmatsy de Varsóvia, é dinamitada por ordem do general alemão Jurgen Stroop. A destruição da sinagoga foi a última grande operação nazi na liquidação do Gueto de Varsóvia.
 Após este trágico acontecimento, Stroop enviou um relatório ao seu chefe herárquico Himmler, comunicando que o "Gueto deixou de existir..."




Levantamento do Gueto de Varsóvia - Unidades das S.S. e da Gestapo em acção de destruição de focos da resistência judaica.
O general das S.S Jurgen Stroop, é o de bivaque com óculos de protecção.
 














 

No final do conflito é detido pelos aliados, e enviado para a Polónia, onde é julgado por crimes de guerra. Será executado em Março de 1952.



 Fotografias: collections.yadvashem.org



domingo, 15 de maio de 2011

O dia seguinte



Ainda as palavras da independência do novo estado de Israel ecoavam na sala do Museu de Telavive, e já o inimigo árabe fazia uma grande ofensiva militar contra os kibutz e cidades israelitas, numa frente comum composta por 5 exércitos de países diferentes, Egipto, Transjordânia, Síria, Líbano e Iraque, mais as milícias de voluntários palestinos.
Contra todas as probabilidades os israelitas resistiram e venceram, pois a derrota seria o desastre total. O que estava em questão era a sobrevivência perante a iminente aniquilação de um povo e de um sonho milenar, a reconstrução do seu lar na terra prometida.
Mulheres e homens armados de querer, ganharam combates contra unidades muitas delas profissionais, é o caso da Legião Árabe da Transjordânia, soldados que estavam bem equipados e que tinham sido treinados por oficiais ingleses e alemães, muitos destes, das antigas S.S., que na Síria e no Egipto se refugiaram após a derrota da Alemanha em 1945. 
A vitória foi dura mas compensadora, Israel sobreviveu...




 











 










 




 




















  

  


sábado, 14 de maio de 2011

Declaração de Independência do Estado de Israel







Governo Provisório de Israel



A terra de Israel é o local de origem do povo judeu. Aqui a sua identidade espiritual, política e religiosa foi moldada. Aqui eles primeiro atingiram a formação de um estado, criaram valores culturais de significância nacional e universal e deram ao mundo o eterno Livro dos Livros. Depois de serem forçosamente exilados de sua terra, o povo conservou consigo sua fé durante sua dispersão e nunca deixou de rezar e sonhar com o retorno para sua terra e com a restauração, lá, de sua liberdade política.
Impelidos por sua ligação histórica e de tradições, judeus lutaram geração após geração para se reestabelecerem em sua antiga terra natal. Nas décadas recentes, eles voltaram em massa. Pioneiros, desafiadores refugiados e defensores, eles fizeram desertos florescerem, reavivaram a língua hebraica, construíram vilarejos e pequenas cidades, criaram uma próspera comunidade que controla a sua própria economia e cultura, adorando a paz mas sabendo como se defender, trazendo as bênçãos de progresso para todos os habitantes do país e aspirando a um estado independente.
No ano 5657 (1897), nas conferências do pai espiritual do Estado Judeu, Theodore Herzl, o Primeiro Congresso Sionista delineou e proclamou o direito de o povo judeu fazer renascer o seu próprio país.
Este direito foi reconhecido na
Declaração Balfour de 2 de Novembro de 1917 e reafirmado no Mandato da Liga das Nações que, em particular, deu sanção internacional para a conexão histórica entre o povo judeu e Eretz-Israel e o direito de o povo judeu reconstruir o seu Lar Nacional.
A catástrofe que recentemente caiu sobre o povo judeu - o massacre de milhões de judeus na Europa - foi outra demonstração clara da urgência de resolver o problema da falta de um lar através do reestabelecimento em Eretz-Israel do Estado Judeu, que abriria bem os portões da terra natal para todo judeu e conferiria ao povo judeu o status de membro privilegiado na comunidade de nações.
Sobreviventes do holocausto nazi na Europa, assim como os judeus do resto do mundo, continuaram a migrar para Eretz-Israel, apesar das dificuldades, restrições e perigos e nunca deixaram de assegurar o seu direito a uma vida de dignidade, liberdade e trabalho honesto em seu lar nacional.
Na Segunda Guerra Mundial, a comunidade judaica deste país contribuiu por completo com as nações que amam a paz e a liberdade contra as forças da tirania nazi e, com o sangue de seus soldados e seus esforços de guerra, ganhou o direito de ser reconhecida entre os povos que fundaram as Nações Unidas.
No dia 29 de Novembro de 1947, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou a resolução do estabelecimento de um Estado Judeu em Eretz-Israel; a Assembleia Geral requereu aos habitantes de Eretz-Israel tomarem as medidas necessárias para a implementação desta resolução. Este reconhecimento das Nações Unidas pelo direito de o povo judeu estabelecer o seu Estado é irrevogável.
Este é o direito natural de o povo judeu ser mestre de seu próprio destino, como todas as outras nações, em seu próprio Estado soberano.
De acordo, nós, membros do Conselho do Povo, representantes da Comunidade Judaica de Eretz-Israel e do Movimento Sionista, estamos aqui reunidos no dia de término do Mandato Britânico sobre Eretz-Israel e, por virtude de nossos direitos naturais e históricos e pela força da resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas, aqui declaramos o estabelecimento do estado judeu em Eretz-Israel, a ser conhecido como Estado de Israel.
Declaramos que, vigorando a partir do término do Mandato a esta noite, véspera de Shabat, 6 de Iyar de 5708 (15 de Maio de 1948), até o estabelecimento das autoridades eleitas, regulares do Estado em acordo com a Constituição que será adoptada pela Assembleia Constituinte Eleita no mais tardar em 1 de Outubro de 1948, o Conselho do Povo actuará como Conselho Provisório do Estado, e seu órgão executivo, a Administração do Povo, será o Governo Provisório do Estado Judeu, a ser chamado "Israel."
O Estado de Israel será aberto para imigração judaica e para a o recebimento de exilados; patrocinará o desenvolvimento do país para o benefício de todos os seus habitantes; será baseado na liberdade, justiça e paz como imaginado pelos profetas de Israel; garantirá liberdade de religião, consciência, língua, educação e cultura; respeitará os lugares sagrados de todas as religiões; e será fiel aos princípios da Ata das Nações Unidas.
O Estado de Israel está preparado para cooperar com agências e representantes das Nações Unidas a implementar a resolução da Assembleia Geral de 29 de Novembro de 1947 e tomará as medidas necessárias para trazer a unidade económica de toda Eretz-Israel.
Fazemos um apelo às Nações Unidas para assistir o povo judeu a construir o seu Estado e para receber o Estado de Israel na comunidade das nações.
Fazemos um apelo - no momento de um duro ataque lançado contra nós há meses - aos habitantes árabes do Estado de Israel para manter a paz e participar da construção do Estado na base de igual e completa cidadania e através de representação em todas as suas instituições provisórias e permanentes.
Nós estendemos nossa mão a todos os estados vizinhos e seus povos numa oferta de paz e boa vizinhança, e apelamos a eles para o estabelecimento de laços de cooperação e ajuda mútua com o soberano povo judeu, estabelecido em sua própria terra. O Estado de Israel está preparado para fazer a sua parte em um esforço comum para o desenvolvimento de todo o Oriente Médio.
Apelamos ao povo judeu em toda a Diáspora para ajudar os judeus de Eretz-Israel nas tarefas de imigração e construção, e de os que apoiarem na grande luta de realização do antigo sonho - a redenção de Israel.


Pondo a nossa confiança no Misericordioso, nós colocamos as nossas assinaturas nesta proclamação e nesta sessão do Conselho de Estado, no solo da Terra Natal, na cidade de Tel-Aviv, nesta véspera de Shabat, em 5 de Iyar de 5708 (14 de Maio de 1948).


David Ben-Gurion


Daniel Auster Mordekhai Bentov Yitzchak Ben Zvi Eliyahu Berligne Fritz Bernstein Rabbi Wolf Gold Meir Grabovsky Yitzchak Gruenbaum Dr. Abraham Granovsky Eliyahu Dobkin Meir Wilner-Kovner Zerach Wahrhaftig Herzl Vardi Rachel Cohen Rabbi Kalman Kahana Saadia Kobashi Rabbi Yitzchak Meir Levin Meir David Loewenstein Zvi Luria Golda Myerson Nachum Nir Zvi Segal Rabbi Yehuda Leib Hacohen Fishman David Zvi Pinkas Aharon Zisling Moshe Kolodny Eliezer Kaplan Abraham Katznelson Felix Rosenblueth David Remez Berl Repetur Mordekhai Shattner Ben Zion Sternberg Bekhor Shitreet Moshe Shapira Moshe Shertok.

 
Destaque literário






Um livro que aborda a sociedade portuguesa nos finais do século XV.
O império, as intrigas e conspirações contra D. João II, judeus e cristãos, tudo isso narrado magnificamente pela historiadora/escritora Seomara da Veiga Ferreira.